Brasil, o país do “bom o suficiente”

Querendo passar longe da “Síndrome de Vira-lata” que assola o brasileiro, não dá pra não falar de uma característica de fato irritante dos produtos que são vendidos aqui.

Se eles não são ruins, também não são exatamente ótimos. Eles são bons no ponto exato de não serem ruins, tão na média, são bons pra não gerar muita reclamação e poderem cobrar mais caro. São bons o suficiente.

Dificilmente a gente encontra no mercado produtos que são de fato excelentes, tanto em qualidade quanto em embalagem. Se eles são excelentes, provavelmente serão importados.

Quer exemplos? Dou exemplos.

Pacotes de torrada, bolacha, queijo, peito de peru etc, que tem aquele dispositivo “abre-fácil”. Abre fácil se não arrebentar no meio, se você conseguir desgrudar um lado do outro, se aquela fitinha vermelha tiver sido colocada certo. São as embalagens “tenta-a-sorte” ou “pega a granada lá”.

wraprage_jerryhutter_640

E os copos de água com aquela orelhinha de alumínio que arrebenta quando você puxa? Ou se não arrebenta, a cola da tampinha é tão forte que não desgruda do copo nem a pau. Nos resta enfiar o nosso corajoso dedão através da tampinha e tomar uma água contaminada de dedão.

Recentemente, o episódio que mais me tirou do sério foi a da Maionese Heinz. Quem sabe, sabe: ela era maravilhosa, perfeita, eu me segurava (nem sempre conseguia) pra não comer ela de colherada. E é claro, era importada. Da Espanha, no caso.

Esses tempos eu já tava ficando agoniada, não achava mais a maionese em mercado nenhum. Pensei que o problema fosse a alta do dólar, sei lá. Eis que um dia ela ressurge, em embalagem nova, de plástico, novo rótulo brilhoso. A antiga era de vidro, basicona, com um rótulo de papel…normal.

Ou seje: ficou mais bonitona. Cromada. Curvilínea.

Fui feliz pra casa, peguei uma torrada (de um pacote tenta-a-sorte”) passei… choque! Totalmente diferente! Tava estragada? Eu tava resfriada e não sentia direito o sabor dos alimentos? Não! Os caras ALTERARAM A FÓRMULA DA MAIONESE.

heinz x heinz
tem um vídeo no youtube falando disso. tem sim.

Passaram a fabricar no Brasil. Alteraram a fórmula pra pior. Deixaram a embalagem mais carnavalesca. Aumentaram o preço.

Me revoltei, deixei recado na página dos caras no Facebook, que foi hilariantemente respondido. Eu misteriosamente não encontrei essa conversa, mas foi algo do tipo “– Ei heinz, maionese ficou ruinzona hein?” e eles “– Oi Ana, ficou boa! Alteramos a fórmula e mudamos pra melhor” e eu “– Ahhh, ok, brigada por esclarecer, achei que tinha ficado ruim.“ Fim.

Assim, fui em busca de uma nova maionese. E é aí, meus amigos que se comprova a minha teoria do “bom o suficiente”: ela continua sendo a melhor, ou a menos pior. Por mais que eu tenha tentado mudar de maionese, não deu: ela continua melhor que as outras, mas não é mais tão boa.

Pra quê hein? Pra que a Heinz vai importar uma maionese incrivelmente boa da Espanha, se eles podem fazer uma menos boa aqui no Brasil mesmo, usando ingredientes piores e cobrando mais? Pra nada, ué.

“Ah, Ana, eles adaptaram pra melhor se encaixar no paladar nacional”

HA-HA-HA.

Aqui no Brasil nada precisa ser excelente. Em geral é ruim, mas quando é pra ser bom, não precisa ser tãaao bom assim, só bom o suficiente já basta.

– texto por Ana Victória

Página no Facebook: Não gostou? Faz o seu. 

834 comentários em “Brasil, o país do “bom o suficiente”

  1. Sou apaixonada “louca” por produtos de limpeza como moro na fronteira costumo comprar no país dos Hermanos a diferença é enorme na qualidade dos produtos. Os molhos de tomate você nota logo na embalagem quando os nossos você balança e parece que só tem água os de lá são realmente consistente.

    Curtir

  2. Nossa, adorei o post! É exatamente isso q eu penso… Recentemente passaram a fabricar as barrinhas de chocolate kinder no Brasil… antes eram feitas na Itália, e agora tem gosto de plástico!!! A população tem q se unir, e parar de comprar lixo pra ver se as empresas se tocam!

    Curtir

  3. Sou viciada em ler rótulos e tento comer o mínimo possível de produtos industrializados… E estava comprando os produtos da heinz no mercado exatamente pela qualidade e por ver nos ingredientes do produto um número menor de conservantes, além da ausência do glutamato. Foi quando pra minha surpresa, percebi essa mudança estética nos rótulos e quando fui ler, lá estava o sr. glutamato e outras tranqueiras que a indústria brasileira permite e lá fora já foram proibidos comprovados como venenos. Parti pra maionese e ketchup caseiros.

    Curtir

  4. Prezados senhores, Gostaria de colocar mais um ponto nesta discussão sobre a “mediocrização” dos produtos: A China! As empresas não conseguirão sobreviver no longo prazo se não se ajustarem para conseguir competir. Infelizmente acham que sou paranóico quando digo isso, mas tudo leva a crer que exista um plano secreto chinês de dominação mundial…seremos todos escravos dos chineses.

    Curtir

  5. Olá, Não pude deixar de ler e lembrar justamente dessa marca.

    http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2016/03/09/post-afeta-imagem-e-vendas-da-heinz.html

    Veja como funcionou no Canadá e aqui no Brasil existem alguns que seguem essa mesma ideia… eu faço parte de um grupo que executa esses princípios de exigência no facebook. Propagando a maturidade do consumidor e exigindo os direitos contra os fabricantes, comerciantes e prestadores de serviço.

    Aconselho a ler o link que enviei, é de grande valia e é justamente sobre a Heinz.

    Curtir

  6. Fiz minha parte, deixei de consumir a maionese Heinz desde que lançaram a “nova fórmula”….foi até bom, pois agora nem como mais maionese, no Brasil é uma pior que a outra!

    Curtir

  7. Morei na Espanha um ano e percebi a mesma coisa, o Oreo e a Hellmans eram muito , mas muito, mais gostosas! O paladar do Brasileiro, não merece o pior e sim somos idiotas o suficientemente para continuar comprando. Não boicotamos nada.

    Curtir

  8. Sim, mudou e muito, quem já provou a espanhola já mais esquecer a leveza da maionese e seus ingredientes, pro Brasil o bom tá bom mesmo estando pior.

    Curtir

  9. Pois é.
    O brasileiro tem o costume (às vezes correto) de achar que tudo importado é melhor.
    Muitas vezes nem notamos que o produto foi nacionalizado.
    Sim, muitos de nós nem tem o hábito de ler o rótulo…
    Bem… Estamos acostumados a pagar tudo mais caro! E, no caso das multinacionais, elas sabem que podem se instalar aqui e produzir com menor qualidade e preço superior, pois sabe que pagamos…
    Veja só a indústria automobilística. Todas se queixam do lucro. Mas fazem fila para se instalarem por aqui. Além de explorarem o consumidor, se aproveitam da mão de obra barata!
    Pois bem, nesta mentalidade de conseguir produzir um produto inferior com um preço maior, sem problemas de rejeição pelo consumidor, ainda apoiados pela nossa legislação que protege a indústria e despreza os direitos do consumidor, fica fácil entender o jogo… Muito triste!

    Curtir

  10. Verdade! É exatamente o que acontece por aqui. Estou com a mesma sensação com o queijo president que está sendo fabricado no Brasil. Quanto a Heinz, eu não fiquei surpreso. Tudo que o pessoal da 3G compra eles mudam a fórmula para ficar mais barata. Por mais que os admire como empresários, os produtos que eles tocam seguem a tendência de piorar muito a qualidade.

    Curtir

  11. Meu comentário fica com a experiência de viagem de Cruzeiro. Em 2001, papai todo feliz juntou $ de sua aposentadoria e 9 anos sem férias para nos levar a um, logo no começo das empresas aqui no Brasil. Eu fiquei abismado com a limpeza, cordialidade, pontualidade e eficiência. Não era nosso padrão de vida normal, mas valeu muito como experiência do que seria “um serviço classe A’. Dois anos depois, caímos no truque: Voltamos ao mesmo navio…e aí eles falaram “melhoramos o serviço, está mais abrasileirado”…mano. O troço virou qualquer coisa, menos o que se esperava do que era um “tan-tan-tan…cruzeiro!”. To ligado. Você cunhou um ótimo termo: “Aqui não precisa ser excelente. Só bom o suficiente.”

    Curtir

    1. Sim, é exatamente isso em todo lugar.
      eles se aproveitam das reações bovinas do brasileiro para irem piorando até o limite do aceitável, em todos os produtos e em todos os serviços.
      O brasileiro médio tem um misto de baixa auto estima com vergonha de lutar pelos seus direitos que dá muita brecha pras empresas pisotearem o consumidor final.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s