Cuque de Uva ou A vida como ela é

Permanecendo no tema “desastres com bolo”, o pequena tragédia de ontem com a nêga maluca me lembrou de uma muito pior que aconteceu há 5 anos atrás.

Curiosamente eu registrei essa tragédia em texto e fotos e ela foi publicada no blog da totalmente demais Chef de Pâtissiere Carol Garofani, dona da confeitaria totalmente demais Caramelodrama . Vai lá: caramelodrama.com e facebook

Vamos relembrar esse maravilhoso acontecimento e refletir no POBREMA que eu tenho com bolos. Vai ver é uma maldição.

CUQUE DE UVA ou A VIDA COMO ELA É

cuque

Oi, pessoal!

Bem, a convite da minha irmã, Carol Garofani, vim escrever no blog dela, e é para ensinar – ou só contar como fiz, não sei se estou podendo ensinar a fazer bolo, como você logo irá constatar – um cuque de uva.

É, de uva. Sei que a maioria das pessoas só comeu, ou só ouviu falar, de cuque de banana. Mas o cuque de uva tem as suas virtudes: é menos doce do que o de banana, mais úmido e fica, supostamente, mais bonito. Uma vez, comi um cuque de uva na casa de uma amiga minha, e estava bom demais! Desde então fico pensando em fazer um. Chegou o momento!

Na verdade verdadeira, o momento chegou 3 vezes.

Da 1a vez, peguei uma receita de um blog meio duvidoso e obscuro. Junte isso com uma cozinheira meio duvidosa e obscura e o resultado foi um bolo batumado e encruado, com uma farofa que virou casca e uvas que viraram uma geléia sensacional. Tive que jogar fora antes que o Ricardo (marido) passasse mal, comendo o bolo ruim pra chegar na geléia boa.

Da 2a vez, a massa cresceu lindinha. Mas eu, com preguiça de voltar no mercado que tinha comprado aquelas uvas tão boas, comprei uva itália mesmo, e a receita da farofa (que vai por cima) tinha trigo demais! O resultado foi um bolo farinhento (literalmente), seco e azedo, porque as uvas não eram as ideais. Não exatamente um quitute dos deuses.

E a 3a vez é essa que eu vou contar.

Comecei do jeito certo: Achei uma receita legal, validei com gente que entende da coisa e fui atrás dos ingredientes recomendados: Leite integral de qualidade, uvas ideais, ovos novos e orgânicos, boa vontade e concentração. Um pouco de teimosia e neura também foi preciso, afinal, pessoal, eu estava tentando o mesmo bolo pela 3a vez em 10 dias. O Ricardo estava incrédulo.

O importante é iniciar separando tudo o que você vai usar pra fazer o bolo. Confira a receita e separe todos os ingredientes, medidores, vasilhas, faca, espátula, batedeira, forma etc. Deixe tudo organizado, limpo e à mão. Sua empreitada tem mais chances de dar certo assim, do que sair correndo pela cozinha e despensa cada vez, procurando o que você precisa enquanto a massa fica lá, esperando.

Ovos devidamente divididos. Comprei um “separador de gemas e claras”, mas concluí que é melhor com a mão mesmo. Mais um utensílio para a gaveta “acessórios inúteis que eu comprei na empolgação”:

ovos

Foi tudo muito bem até aqui! Mas não acaba aqui!!

Antes da sofrência, vamos dar uma relaxada, vendo umas fotos do processo:

Tem que usar esse batedor. Minha irmã chamaria (chama) de pá. Eu chamo de “troço parecido com aquele símbolo hippie”.

simbolo hippie

Essas são as uvas sem semente, e polvilhadas com trigo, pra secarem um pouco.

uvas

Esse é o House. Me acompanhou durante o processo, na televisão que eu tenho na cozinha. Sem televisão eu não faria nem ovo frito. Odeio ficar olhando pro azulejo, pensando na morte da bezerra, enquanto cozinho.

house

Agora, se fosse um texto da Chef Patissiere Carolina Garofani, você veria uma foto de um pedaço do cuque assado. Lindo e roxo.
Mas esse não é um texto da Carolina…

Na vida como ela é as coisas não acabam assim.
Na vida como ela é a cozinheira já estava desesperada de ver seu bolo no forno por mais de 50 minutos sem ficar pronto.
E nesta mesma vida, na hora em que eu fui tirar o bolo do forno, fui preocupada! Abri a tampa, puxei a grade e! E?
Cadê o bolo?

Eu cheguei a olhar pra bancada pra ver se ele não estava magicamente lá, quando escutei um “tssssssss”.
Adivinhou? Sim, o bolo escorregou POR TRÁS DA GRADE e caiu no fundo do forno. Virado. Queimando. No. Fundo. Do. Forno.

Gritei!
O marido veio correndo de onde quer que estivesse.
Claro que o bolo desenformou lá mesmo, dentro do forno…melhor dizendo ESCORREGOU da forma. De fato, tudo muito escorregadio.
Com espátulas e coragem, demos um jeito, e agora sim,  você vai ver uma foto do cuque:

cuque despedaçado

Depois que o bolo escorregar da grade pela parte de trás do forno, virar, cair, e você colocá-lo às pressas em uma forma maior, ele ficará parecido com este.

Caso você esteja se perguntando: o cuque ficou bom, no final das contas.

Isso na minha opinião, mas o Ricardo (cobaia oficial) achou que tinha pouca farofa.

Lá vamos nós de novo…esta é a vida como ela é.

Incumba seu marido – aquele que veio desesperado depois de ouvir o seu grito ao ver o bolo caído – de limpar o forno.

ricardo limpando o forno

Não esqueça de se queimar no forno enquanto tenta desesperadamente salvar o que restou do seu bolo.

braço queimado

a receita do cuque você encontra no post original, vai lá:

http://caramelodrama.com/cuque-de-uva-ou-a-vida-como-ela-e/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s